Guia do PPC: O que é PPC? Entenda o Pay per Click e sua importância

Guia do PPC: O que é PPC? Entenda o Pay per Click e sua importância

O que é PPC?

O marketing de PPC (pagamento por clique) é uma forma de publicidade on-line na qual os anunciantes acumulam custos quando os usuários clicam em seus anúncios. Os anunciantes fazem lances no valor de um clique em relação às palavras-chave, plataformas e tipo de público-alvo.

Principais plataformas

Anúncios do Google

Executado no Google, nos sites de parceiros de pesquisa e nos sites da Rede de Display, o Google Ads é a maior plataforma de pagamento por clique. O Google Ads é voltado para todo o tipo de empresas, desde as pequenas até as grandes.

Publicidade da Microsoft

Semelhante ao Google Ads, o Microsoft Advertising é uma plataforma de pagamento por clique que mostra anúncios nas redes Microsoft e Yahoo. A plataforma também utiliza os parceiros de pesquisa.

O Microsoft Advertising é principalmente publicidade baseada em palavras-chave. Desde 2017, o Microsoft Advertising possui 137 milhões de pesquisadores únicos na área de trabalho da rede Bing (fonte Bing).

Estrutura da conta

Campanhas e grupos de anúncios

Os anunciantes começam escolhendo temas de palavras-chave e criando campanhas individuais. Por exemplo, um profissional de PPC pode criar uma campanha com o tema “Mesas de centro”. Nesta campanha, existem subcategorias temáticas, chamadas grupos de anúncios. Esses grupos de anúncios podem incluir:

  • Mesas de centro ovais
  • Mesas de centro longas
  • Mesas de centro redondas

Cada grupo de anúncios contém variações de palavras-chave com temas. Por exemplo, o grupo de anúncios “Mesas de centro ovais” pode conter estas palavras-chave:

  • Oval mesas de café
  • Mesas de centro ovais
  • Mesas de centro ovais à venda

Palavras-chave

A cada palavra-chave deve ser atribuído um tipo de correspondência, que define as consultas para as quais os anúncios serão exibidos. Existem vários tipos de correspondência de palavras-chave:

Exato: a consulta deve ser digitada exatamente.

Exato (variante próxima): a consulta deve ser digitada exatamente, mas pode incluir erros de ortografia ou outras variantes.

Frase: a consulta deve ser digitada na ordem correta, mesmo se houver termos adicionais antes ou depois da consulta.

Frase (variante próxima): A consulta deve ser digitada na ordem correta, mesmo se houver termos adicionais antes ou depois da consulta. A consulta pode incluir erros de ortografia ou outras variantes.

Ampla: a consulta pode ser digitada em qualquer ordem e potencialmente exibirá anúncios para pesquisas semelhantes.

Amplo (com base na sessão): uma forma de correspondência ampla que leva em consideração outras consultas da seção de pesquisa deste usuário.

Palavras-chave negativas

Juntamente com os termos positivos, as palavras-chave negativas podem ser adicionadas para ajudar a remover o tráfego não qualificado. Por exemplo, alguém que procura por “mesa de café grátis” não quer comprar.

Ao adicionar “grátis” como uma palavra-chave negativa, o anúncio do anunciante não será exibido quando uma consulta que contém esse termo for digitada. Para uma empresa que vende produtos de ponta, termos relacionados a “pechincha” ou “barato” podem gerar boas palavras-chave negativas.

Audiências

Públicos-alvo são grupos de usuários segmentados de várias maneiras. Na maioria das vezes, o público é usado no remarketing. O público-alvo pode ser criado com base em visualizações de página específicas, tempo gasto no site, páginas por visita e muito mais. Semelhante às palavras-chave, o público-alvo é licitado com base na relevância.

Por exemplo, os anunciantes podem fazer lances maiores para remarketing para quem abandonou o carrinho de compras do que para os visitantes da página inicial.

Configurações

Tipos de campanha

Rede de Pesquisa: esta é a opção de segmentação mais comum. A Rede de Pesquisa consiste em google.com e nos Parceiros de pesquisa do Google, como aol.com, amazon.com e muito mais. A Rede de Pesquisa é a principal publicidade baseada em palavras-chave. Em outras palavras, os pesquisadores digitam consultas para as quais os anúncios são exibidos.

Rede de Display: esta rede consiste em milhões de sites que concordam em exibir anúncios de texto, gráficos e em vídeo do Google. Esses anúncios são exibidos no conteúdo do site e não utilizam a segmentação tradicional baseada em palavras-chave, mas sim públicos e informações demográficas.

Por exemplo, um usuário pode visitar um blog que fala sobre o histórico das mesas de centro. Mesmo que o usuário não esteja necessariamente no modo de compra, o conteúdo é relevante para as mesas de centro. O usuário pode ou não clicar no anúncio, mas agora está ciente da marca.

Rede de Pesquisa com opção de exibição em Display: esta opção de segmentação é uma combinação das duas redes. 

Na nova experiência do Google Ads, isso substituiu a Rede de Pesquisa por exibição em Display. Agora você criará uma campanha regular da Rede de Pesquisa e ativará a Rede de Display. A ressalva é que o Google determina quando e onde os anúncios podem ter melhor desempenho, afastando o controle do anunciante.

A opção preferida é dividir as campanhas por rede, mas vale a pena testar a Pesquisa com a Rede de Display.

Compras: os anúncios da lista de produtos – os PLAs são mostrados no Google e na Microsoft. Após enviar um feed de produto ao Google Merchant Center, as campanhas do Shopping podem ser criadas no Google Ads. Os anunciantes criam grupos de produtos para os quais podem fazer lances em vários atributos de feed. Esses atributos incluem:

  • Marca
  • Categoria
  • Doença
  • ID do item
  • Tipo de Produto
  • Atributos personalizados

As campanhas do Shopping não contêm palavras-chave. Ambos os mecanismos de pesquisa correspondem às consultas do usuário com o produto que consideram mais relevante. Portanto, é importante garantir que todos os produtos tenham informações precisas, bem como títulos e descrições claros.

Segmentação por dispositivo

Os anúncios podem ser exibidos em todos os dispositivos, incluindo:

  • Desktops / laptops
  • Tablets
  • Dispositivos móveis

Os desktops / laptops e tablets são considerados bastante semelhantes pelos mecanismos de pesquisa para que o mesmo lance seja aplicado a essas plataformas.

Os dispositivos móveis podem ter um modificador de lance. Por exemplo, se o lance for R$ 1,00 e o modificador de lance para celular estiver definido como -50%, o lance em dispositivos móveis se tornará R$ 0,50. Um modificador de lance de 150% definiria o lance para celular em R$ 1,50.

Conclusão

Espero que o conteúdo tenha mostrado uma visão do marketing de PPC (pagamento por clique). O conteúdo aborda tudo o que você precisa para iniciar ou entrar logo após o lançamento de suas contas de PPC, como Google Ads. No entanto, o lema do tráfego pago é “teste, teste, sempre”. Certifique-se de testar diferentes recursos e estratégias para cada objetivo de campanha.

Cada conta é única e terá suas próprias reações a diferentes recursos e estratégias. É claro que existem práticas comuns que são consideradas as melhores para a maioria das contas, mas só são aplicadas depois que testadas.

No meu próximo conteúdo vou mostrar as ferramentas mais utilizadas para planejamento de campanhas de PPC.

Afinal, o que é Marketing Humanizado e por que devemos implementá-lo?

Afinal, o que é Marketing Humanizado e por que devemos implementá-lo?

Humanização é a palavra do momento. Principalmente quando falamos da presença digital de marcas e empresas, o assunto tem se tornado uma tendência.

Isso porque ele é capaz de criar uma ligação especial que serve, inclusive, para alavancar resultados.

Mas afinal, você sabe exatamente do que se trata o Marketing Humanizado? Será que ele se encaixa para o seu tipo de negócio?

Continue lendo nosso post e saiba o que é e porque você deve implementá-lo.

O que é Marketing Humanizado?

Em primeiro lugar, o Marketing Humanizado busca humanizar processos e criar conexões entre uma marca (ou quem está comunicando) e seu usuário (ou também, público-alvo).

Seu sucesso se teve diante de um cenário de automatização digital, onde entender o seu consumidor e demonstrar-se uma pessoa humana como ele, pareceu um grande diferencial.

A verdade é que nós não queremos apenas concluir uma compra. Queremos sentir que somos parte de algo. É como ir em um bar e o garçom conhecer seu pedido de cor, receber uma encomenda com um cartão manuscrito ou ir à padaria do bairro onde o atendente te conhece há anos. Esses pequenos detalhes fazem com que o cliente se sinta valorizado, “em casa”.

A importância de uma comunicação humanizada

Parece óbvio, mas às vezes, esquecemos que nossos clientes são pessoas, com emoções, desejos e sentimentos. Ao realizarmos um contato com ele, o que nos é esperado é um atendimento que vá muito além da venda, um atendimento que realmente o ajude superar seus problemas e dores.

Reprodução: Nubank

Quando uma marca investe em oferecer uma experiência de compra única durante toda a jornada do seu consumidor, cria pessoas engajadas que, posteriormente, irão tornar-se verdadeiras seguidoras da marca e suas principais impulsionadoras para futuras compras.

“Não é só sobre persona ou público-alvo, mas sobre os corações que você está tentando tocar.”
Ann Handley

E como implementar o Marketing Humanizado?

São diversas as técnicas que podem levar à humanização da comunicação da sua marca. Mas alguns pilares são essenciais para iniciar. Para auxiliar no processo, separamos algumas dicas úteis:

1.  Conheça (de verdade) o seu público

Um dos princípios da humanização é a identificação do público com a sua marca. Mas, isso só acontece quando você conhece muito bem a sua persona.

Com personas bem segmentadas, ou seja, sabendo verdadeiramente com quem sua empresa está falando, será fácil definir o tom de voz mais adequado e, criar um conteúdo que gere emoção e faça o seu público se sentir cada vez mais próximo.

2.  Conteúdos de valor para sua persona 

O conteúdo que chega até o seu público deve ser relevante para ele. Um conteúdo de valor é aquele que gera engajamento, ajuda a superar e oferece ao seu público aquilo que ele está precisando no momento. Assim, as chances de converter e criar conexões são muito maiores.

Acredite: quando o foco está no seu público e no relacionamento com ele, a venda será uma consequência!

3.  Interaja com os seus seguidores

A sua interação com o público presente em seus canais digitais é um dos fatores que irá contribuir para a construção de uma relação sólida. Aqui, você deve focar na agilidade e tom de voz.

Um atendimento com rapidez no retorno demonstra atenção e respeito ao cliente. Quando for responder seus seguidores, utilize o tom de voz adequado (muito cuidado com abreviações, gírias e informalidades caso a sua marca seja mais cordial, por exemplo).

Independente da personalidade da sua marca, fale de forma simples e de fácil entendimento. Seja simpático e utilize emojis. Isso aproxima a marca do seu público e torna a conversa muito mais atrativa!

4.  Torne as mídias sociais da sua empresa mais pessoais

Muito além de dar boas dicas, falar dos seus produtos e serviços, trazer promoções e ofertas, os seus canais digitais precisam transparecer a verdadeira personalidade da sua marca.

Por isso, expor os “bastidores” do seu trabalho é tão interessante! Mostrar os colaboradores, o jeito de fazer e a interação das pessoas de forma humanizada é o que vai fazer com que as pessoas se identifiquem.

Agora você entende a necessidade de adaptar o Marketing Humanizado para o seu negócio? Nos tempos atuais, as conexões vêm antes de qualquer estratégia.  

Marcas que tentam empurrar suas soluções sem estabelecer conexões afastam as pessoas, tem dificuldades em se destacar da concorrência e não geram resultado algum através do Digital. ⠀

Como toda estratégia de marketing, é importante lembrar que o Marketing Humanizado deve ser transparente e verdadeiro. Além de transparecer o conceito de humanização através das suas ações digitais, eles devem estar inseridos nos valores da sua marca.

Que tal começar? (:

Como mandar bem no atendimento digital da sua marca

Como mandar bem no atendimento digital da sua marca

Quantas vezes você deixou de realizar uma compra pelo atendimento que recebeu? A comunicação online nunca esteve tão em alta e, com isso, surge a oportunidade de um novo canal de relacionamento entre empresa e cliente. 

Como e porquê adotar o atendimento digital?

O atendimento digital pode ser feito através do WhatsApp, redes sociais, chat ou e-mail. Uma das suas principais vantagens é a conquista da confiança do consumidor, tornando o contato muito mais cômodo e fácil.

Nada mais é do que utilizar dos meios digitais para estabelecer um canal de comunicação com os seus clientes.

Separamos algumas dicas de como utilizar as mídias sociais ao seu favor e para mandar bem no atendimento! 

7 estratégias de Marketing de Conteúdo para aplicar na sua empresa hoje

#1 Anote as dúvidas frequentes

Ter em mãos as respostas das dúvidas mais frequentes ajuda a agilizar o atendimento. Anote em um arquivo qual é a pergunta e como respondê-la. Assim, você pode consultar esse arquivo sempre que necessário para facilitar na resposta. O mesmo vale para perguntas com respostas complexas/extensas.

#2 Saiba configurar as respostas automáticas

As respostas automáticas são muito úteis quando bem configuradas. A dica é configurar de forma em que a mensagem seja entregue automaticamente nos horários em que não há expediente. Além disso, é possível ativar uma mensagem instantânea em feriados, por exemplo. 

Veja como configurar as mensagens do Messenger, clique aqui.

#3 Mencione o nome do cliente ao respondê-lo 

Quando o cliente vê e sente que o atendimento é direcionado a ele, a sua visão sobre a marca tende a melhorar. Mostre para o seu cliente que aquele momento é único e exclusivamente focado no esclarecimento das suas dúvidas. Essa pequena atitude na hora do atendimento ajuda a humanizar ainda mais a marca.

#4 Simpatia 

Lembre-se de que toda resposta deve começar com um cumprimento. Nesse momento, vale unir a dica #3 e acrescentar o nome do seu cliente. Além disso, os emojis podem sim ser utilizados, pois deixam a conversa mais descontraída e amigável. 

#5 Responda de forma clara e respeite a ortografia

Por último, mas não menos importante, utilize uma linguagem clara nas respostas. Tente explicar da maneira mais simples possível e não se esqueça de manter uma boa ortografia. Se caso durante a digitação algo saia errado, não hesite em corrigir. 

Unindo essas 5 dicas, fica fácil mandar bem. Além disso, você também pode contar com uma empresa especializada em gestão de mídias sociais para dar um suporte nesses canais, facilitando ainda mais a comunicação e o atendimento digital

Aqui na Pezzo, podemos ajudar você e sua empresa! Entre em contato conosco e saiba mais. 😉 

Gatilhos mentais: o que são e porque você deve usar na sua estratégia de marketing

Gatilhos mentais: o que são e porque você deve usar na sua estratégia de marketing - Pezzo

O termo “gatilhos mentais” tem sido muito utilizado, principalmente quando falamos em estratégias de marketing e vendas. Apesar do nome, não se trata de nenhuma manipulação, e sim de uma técnica simples de psicologia.

Nós, seres humanos, somos movidos a estímulos e motivações que, quando ativados, conduzem-nos a uma determinada ação. Utilizar a estratégia dos gatilhos mentais nada mais é do que saber estimular corretamente a mente humana para que ela realize uma ação desejada – como a de vender, por exemplo.

Para tornar essa técnica uma poderosa arma de persuasão, é necessário entender profundamente os seus clientes e, principalmente, os critérios que o fazem optar por um determinado produto, marca ou empresa.

E como isso funciona? Confira no post!

Afinal, o que são os gatilhos mentais?

Os gatilhos mentais são estímulos que despertam alguma sensação, podendo ser através de um cheiro, uma imagem, uma música ou qualquer outro estímulo sensorial. No caso do marketing, muito se trabalha com sons e palavras. Por ser psicológico, pode vir de experiências pessoais, sociais (estímulos do dia a dia) e biológicos (coisas que são cognitivas e nossas por nascença).

Do momento em que acordamos até o momento em que vamos dormir, somos expostos a muitas possibilidades de escolha. Muitas delas, nem percebemos – realizamos de maneira automática em nosso dia a dia. Mas todas as nossas decisões têm dois aspectos: o racional e o emocional.

Essas decisões tomadas pelo nosso cérebro, com base em critérios instintivos e/ou emocionais é o que chamamos de gatilho mental. É o nosso sistema nervoso filtrando pela melhor escolha da forma mais rápida possível.

Veja também:  Neuromarketing e o comportamento do consumidor

Exemplos de gatilhos mentais

Existem alguns tipos de gatilhos mentais que consequentemente, podem auxiliar a despertar o desejo de compra dos consumidores. São alguns deles:

#1 Escassez

É fato: as pessoas morrem de medo de perder algo. Para o ser humano, perder dá uma sensação muito pior do que deixar de ganhar. Por isso, vemos com frequência esse tipo de gatilho sendo utilizado como instrumento de venda, em frases como “aproveite, últimas unidades!”, “últimas horas de oferta!”, “último dia para comprar!”.

Gatilhos mentais: o que são e porque você deve usar na sua estratégia de marketing

#2 Urgência

Com a mesma lógica da escassez, a urgência é a falta de tempo. Notamos isso nas embalagens ou produtos de “edição limitada” ou na clássica ação da Black Friday. Muitas vezes, você nem está precisando adquirir aquilo realmente, mas só pelo fato de ter um prazo e estar o atingindo, o seu cérebro cria uma urgência em tomar uma ação imediata.

Gatilhos mentais: o que são e porque você deve usar na sua estratégia de marketing

#3 Novidade

Quem não gosta de ter algo que é novidade, de descobrir coisas novas? Vemos muito disso na compra de smartphones: assim que acontece um lançamento, o produto já vira desejo. Explorar isso com seus produtos ou serviços é uma boa estratégia!

https://www.youtube.com/watch?v=cVEemOmHw9Y

Gatilhos mentais: o que são e porque você deve usar na sua estratégia de marketing

#4 Curiosidade

Dar uma pequena prévia do assunto para despertar a curiosidade do consumidor é uma técnica muito importante, ainda mais quando falamos de conteúdos de redação ou vídeo. Frases como “Descubra o segredo para emagrecer sem passar fome” por exemplo, nos auxiliam a reter a atenção do leitor/telespectador logo nos primeiros segundos.

#5 Prova social

As pessoas gostam de participar de coisas que outras pessoas estão participando. Esse gatilho ativa o desejo de “não ficar de fora” e se identificar, seja com um grupo de pessoas ou com um influenciador digital.

Podemos notar ele frequentemente através das redes sociais, recomendações em e-commerce ou em frases como “todo mundo vai”, “todo mundo já provou” ou “faça parte do grupo de mais de X pessoas que já experimentaram X serviço”.

Gatilhos mentais: o que são e porque você deve usar na sua estratégia de marketing

#6 Autoridade

Mostrar que você entende do que está falando, que é especialista e possui propriedade no assunto é outra técnica que funciona muito bem. As pessoas confiam em quem é autoridade. Quem nunca ouviu a frase “9 a cada 10 dentistas recomendam essa pasta de dente”? Apesar de ninguém conhecer os dentistas, o fato de ter sido experimentado e aprovado por profissionais já o torna mais atraente.

#7 Reciprocidade

Se você dá algo a alguém, a pessoa se sente na obrigação em retornar isso para você. Gerar valor ou dar algo ao outro em busca do retorno da ação desejada, é algo muito comum de se ver atualmente e funcionam muito bem, como exemplo dos e-books grátis, brindes por tantos reais em compra, etc.

Veja também: 7 estratégias de Marketing de Conteúdo para aplicar na sua empresa hoje

Os gatilhos mentais sempre serão uma boa estratégia para destacar o seu conteúdo e auxiliar você a alavancar vendas, mas não são milagrosos.

Para causar o efeito esperado, você precisa entender que além de utilizá-los na hora certa, será preciso realmente levar em consideração o seu público (seus problemas, medos, desafios) e entregar algo de valor para ele.

A construção da sua estratégia deve ser baseada na ética, caso contrário, vai aparecer apenas que você está manipulando pessoas para comprarem seu produto, o que irá prejudicar muito a imagem da sua empresa.

Na medida certa, os gatilhos irão trazer ótimas oportunidades de persuadir o seu target e, consequentemente, trazer mais negócios. 😉

Gostou do conteúdo? Ficou com dúvidas? Fique à vontade para deixar um comentário, vai ser um prazer te ajudar!

O que é Transformação Digital?

O que é Transformação Digital? - Pezzo

A ascensão da Quarta Revolução Industrial, que está acontecendo atualmente, proporcionou o crescimento exorbitante de usuários conectados ao ambiente online. Foi neste meio em que surgiu a Transformação Digital. Novas ferramentas foram criadas pela necessidade de novos recursos para atualização dos métodos tradicionais das organizações.

Muitas empresas ainda não se adaptaram aos novos processos possibilitados pela era da informação, o que prejudica não só o crescimento, no que se refere a lucro, como também dificulta a expansão de novos canais. Esse novo método surge como grande aliado da comunicação e dos negócios, facilitando os métodos de compra e venda. Eventualmente, quem não se atualiza, fica para trás.

Entenda o que é Transformação Digital e veja como sair na frente!


Afinal, o que significa Transformação Digital?


A Transformação Digital surge como uma oportunidade de otimização de métodos e processos para as empresas. O que antes era arquivado em papel, por exemplo, hoje pode ser armazenado em computadores.

Em suma, migrar os métodos tradicionais para a internet/computadores possibilita uma melhor organização interna da empresa, novos recursos alinhados à comunicação e resultados mais satisfatórios — adaptando, assim, os modelos tradicionais.

O conjunto que engloba a atualização de processos, a mudança estrutural e o aumento do alcance é a base do que entendemos hoje como esse novo conceito.


Como ela gera resultados melhores


Além de facilitar o armazenamento de dados, a Transformação Digital possibilita, também, novos meios de comunicação. As mídias sociais, por exemplo, têm permitido cada vez mais a interação a distância. Por este canal, também é possível divulgar o seu produto/serviço, interagir com o público e prestar suporte.

Atualmente, cerca de 3,9 bilhões de pessoas estão online em todo o mundo. Por ter tomado proporções colossais é que se dá a necessidade das marcas se fazerem presentes nas vendas pela internet.

Isso porque é pela internet que a maioria dos clientes em potencial fazem as primeiras pesquisas sobre a solução que buscam. Por esse motivo, o Marketing Digital está mais em alta do que nunca.

Logicamente, se o comprador não encontrar as informações que procura sobre um produto ou serviço em específico (ou até mesmo sobre a marca em si), ele não só deixará de comprar, como também optará, possivelmente, por um concorrente.

Aqui na Pezzo, boa parte dos nossos processos acontecem digitalmente. Assim, é possível armazenar os dados necessários, fazer a comunicação com os clientes e mensurar a performance e números de áreas como as de Comunicação, Vendas, Finanças, Processos etc.

A Transformação Digital surge como uma forte aliada para as empresas, atuando em questões organizacionais, operacionais e para resultados mais positivos. Todo o processo tem como base o uso da tecnologia. Para uma organização manter-se visível no mercado, em especial as mais antigas, tal mudança é obrigatória.

Esse empreendedorismo digital resulta em maior valor para a marca, que estará mais evidente e terá maior facilidade em se comunicar com o seu público, aumentando a satisfação dos clientes e a produtividade. Os custos também sofrem impactos positivos, pois tornam-se menores, gerando assim, vantagens irrefutáveis.